O grupo consultivo Clearblue responde às perguntas mais comuns sobre a saúde reprodutiva para que você melhore sua compreensão de seu próprio corpo.

Temos parcerias ativas com grandes especialistas em gravidez e fertilidade do mundo todo para embasar nosso compromisso de ajudar o máximo de mulheres possível a aumentar suas chances de ter uma gravidez saudável. Nossos especialistas, todos muito bem-conceituados em suas respectivas áreas de atuação, tem extensa experiência em áreas como reprodução assistida, fertilidade e gravidez precoce. Eles estão aqui para fornecer um conhecimento abrangente e ajudá-la a compreender melhor sua vida reprodutiva.


Prof. Dr. Bill Ledger — Perguntas e respostas de quem quer engravidar

Prof. Dr. Bill Ledger

Bill Ledger é professor e chefe do Departamento de obstetrícia e ginecologia da Universidade de New South Wales, em Sydney, Austrália, para onde se mudou após ser chefe de departamento na Universidade de Sheffield no Reino Unido, em 2011. Também é Diretor de pesquisa e desenvolvimento na IVF-Australia. Ele publicou matérias extensas sobre a infertilidade e suas causas, faz parte do Conselho editorial de várias revistas importantes, incluindo Fertility and Sterility e BJOG, e também foi membro da Human Fertilisation and Embryology Authority até sua mudança em 2011.

 
  • Por que se recomenda ácido fólico para mulheres que estão tentando engravidar?

    Existem evidências de boa qualidade de que um nível adequado de ácido fólico na corrente sanguínea, à época da concepção, reduz substancialmente o risco do bebê desenvolver defeitos do tubo neural, como uma espinha bífida. As autoridades de saúde pública do Reino Unido, Estados Unidos e de outros países recomendam que mulheres saudáveis ingiram 0,4 a 0,5 mg de ácido fólico por dia (disponível em muitos suplementos vitamínicos pré-gravidez) e que mulheres que apresentem fatores de risco para um mal-metabolismo de ácido fólico, como as medicadas com antiepilépticos ou com mutações no gene MTHFR, devem ingerir 5,0 mg por dia. O importante é ter uma concentração de ácido fólico no óvulo antes que ele seja fertilizado.

  • Devo evitar algum alimento enquanto estiver tentando engravidar?

    A maioria dos alimentos é completamente inofensiva durante a gravidez. É importante ter uma alimentação saudável e balanceada na gestação, ingerindo as devidas quantidades de alimentos nas diversas categorias nutricionais. Em apenas 3 minutos, o resultado “Grávida” ou “Não grávida” aparecerá com todas as palavras na tela. Entre eles estão: leite não pasteurizado, queijos de alta umidade, saladas pré-preparadas (em restaurantes self-service, por exemplo), vegetais crus não lavados, paté, frango resfriado pré-desfiado ou cortado e frutas e saladas de frutas pré-preparadas. Para prevenir a listeriose, evite esses alimentos de risco elevado e cozinhe integralmente comidas crus de origem animal, como carne bovina, de carneiro, porco ou aves; guarde e prepare a carne crua separadamente dos vegetais, alimentos cozidos e comidas prontas; e lave bem os vegetais crus e frutas antes de comer.

  • Eu tive um aborto espontâneo recentemente. Quando posso começar a tentar engravidar de novo?

    No passado, os ginecologistas orientavam as mulheres a esperarem pelo menos três meses antes de tentar engravidar depois de um aborto espontâneo. Mas pesquisas têm mostrado que as chances de uma gravidez saudável não serão diferentes se você tentar novamente após a primeira menstruação normal subsequente ao aborto espontâneo. Esperar não tem benefício nenhum, e muitas mulheres querem tentar novamente assim que for seguro fazê-lo. Mas é preciso estar pronta psicologicamente. É saudável e normal ficar em luto por causa de uma gravidez perdida, e nem todas as mulheres querem engravidar de novo imediatamente.

  • Fui diagnosticada com síndrome do ovário policístico. Isso vai dificultar para eu engravidar, e por quê?

    Mulheres com a síndrome do ovário policístico não costumam ovular; ou pelo menos, não regularmente. Esse grupo de mulheres tem menstruações irregulares ou infrequentes. Se você não estiver ovulando, o óvulo não será liberado do ovário para passar pela tuba uterina e ser fertilizado e implantado no útero.

    Existem diversos tratamentos para a anovulação (um ciclo em que nenhum óvulo é liberado) na síndrome do ovário policístico. Entre eles estão pílulas de clomifeno (Clomid) e injeções de medicamentos de fertilidade. Um médico poderá informá-la sobre isso e encaminhá-la a uma clínica especializada para obter ajuda.

  • Devo aumentar a frequência com que tenho relações sexuais com meu parceiro por estar tentando engravidar? Ter muitas relações sexuais pode ser prejudicial à qualidade ou quantidade de espermatozoides?

    O DNA dos espermatozoides que ficam depositados nos testículos por muito tempo é cumulativamente lesionado e eles se tornam menos férteis. Em casais que têm relações sexuais com frequência (diariamente), o homem terá uma contagem de espermatozoides menor por ejaculação, mas eles serão mais férteis. Se estiver tentando engravidar, tente ter relações sexuais, no mínimo, em dias alternados na época da ovulação.

    Os testes de ovulação Clearblue podem ajudá-la nesse processo. Ter mais relações sexuais, se você quiser, não será prejudicial. Mas é importante também evitar o estresse. Portanto, se preferir ter menos relações sexuais, tente com mais afinco na época da ovulação.

  • Quanto tempo devo esperar depois da última gravidez para tentar engravidar novamente?

    É claro que é muito importante para o recém-nascido ficar perto da mamãe e do papai, tanto pelo suporte físico da amamentação, mas também nutrir emocionalmente e criar uma relação vital para o desenvolvimento do bebê nos primeiros meses. Muitas mulheres que amamentam notam um atraso na menstruação após o parto, embora isso não seja confiável como método contraceptivo.

    É importante decidir o tamanho que você quer que sua família tenha, também levando em conta sua idade. A idade do casal, especialmente da mulher, tem um grande impacto nas chances de engravidar novamente. Se a mulher tiver mais de 35 ou vier de uma família que tem menopausa precoce, será importante tentar novamente antes. Isso também será importante considerar se o homem tiver mais de 45.

  • Eu posso ovular mais que uma vez a cada ciclo?

    Sim, é possível ovular duas vezes, mas isso geralmente acontece ao mesmo tempo que no ciclo. É assim que nascem os gêmeos não idênticos, de ovulações de dois óvulos diferentes. É mais comum em mulheres de mais de 35, sendo uma das causas pelas quais esse grupo de mulheres mais velhas tem mais gêmeos (a outra é que muitas clínicas de fertilização em vitro implantam dois embriões nas pacientes mais velhas, sendo que as pacientes com menos de 40 anos de idade recebem apenas um embrião).

  • Certas posições sexuais aumentam a chance de engravidar?

    Acredita-se que essa crença seja um conto da carochinha. Muitas mulheres notem que o sêmen parece vazar para fora da vagina após a relação sexual e, por isso, elas se deitam sobre travesseiros ou com as pernas para cima depois da relação. Essa perda, porém, é só do líquido seminal. Os espermatozoides se movem muito rapidamente no muco cervical, por isso, não se preocupe com esse vazamento.

  • É verdade que me deitar com as pernas para cima por 30 minutos após a relação sexual melhora minhas chances de engravidar?

    Provavelmente não. Veja a resposta acima. Se for para ser, será. Ficar em posições estranhas não ajuda.

  • Eu tenho endometriose e estou preocupada em não conseguir engravidar. Isso é verdade?

    Muitas mulheres com endometriose leve engravidam facilmente, embora as chances de subfertilidade serem, até mesmo para o grupo que apresenta a forma leve da doença, mais elevadas que as chances comuns da faixa etária das mulheres. A endometriose intensa pode lesionar as tubas uterinas e os ovários, e outras complicações decorrentes da endometriose também podem bloquear as tubas. Um ginecologista poderá informá-la sobre o que fazer nesse caso. Não tente engravidar por mais que alguns meses sem se consultar com um médico.

  • Estamos pensando em tentar engravidar. Existe algum suplemento alimentar além do ácido fólico que pode me ajudar?

    O ácido fólico é o mais importante. Mas também é importante fazer um exame para confirmar o nível de vitamina D e tomar um medicamento para reposição se houver uma deficiência (comum a muitas pessoas). Se consumir pouca carne vermelha, poderá ser necessário tomar um suplemento de ferro e, se você tiver uma alimentação vegana, pode também ser necessário considerar outros suplementos. Existe uma boa parte do mercado que se dedica à venda de vitaminas e suplementos a mulheres querendo engravidar, mas não existem muitas evidências de que pessoas jovens e saudáveis com uma alimentação equilibrada precisem desses remédios mágicos.

  • Estamos pensando em tentar engravidar. Existe algum suplemento alimentar que meu parceiro deve tomar?

    Não, a menos que ele tenha problemas de saúde específicos ou restrições alimentares. Estudo de 300 amostras de urina pré, peri e pós-menopausa, comparando os resultados do Teste de Gravidez Clearblue Plus com os níveis de hCG medidos usando o AutoDelfia (Perkin Elmer). Pare de fumar, beba com moderação duas ou três vezes por semana, mantenha seu peso na faixa normal de sua altura (mas não perca muito peso) e desfrute de uma vida amorosa saudável.

  • Meus ciclos nunca têm a mesma duração. Isso é normal?

    Muitas mulheres têm naturalmente ciclos menstruais que variam em alguns dias a cada mês. Se estiver tentando engravidar, identificar a maior janela de fertilidade com precisão pode ser vantajoso.

     


Dra. Caroline Overton — Estou grávida? Perguntas e respostas

Dra. Caroline Overton

A Sra. Caroline Overton é consultora em Obstetrícia e Ginecologia do Hospital Universitário St Michael, em Bristol, com conhecimento especializado em ultrassonografia ginecológica e cirurgia laparoscópica. É ginecologista líder do University Hospitals Bristol Early Pregnancy Clinic and Endometriosis Centre. Também é Presidente da Association of Early Pregnancy Units e conselheira médica do Endometriosis UK. Foi membro do grupo de desenvolvimento de diretrizes no National Institute of Clinical Excellence (NICE), que publicou orientações sobre a gravidez ectópica e aborto espontâneo em dezembro de 2012. A Sra. Overton escreveu vários livros sobre medicina reprodutiva (fertilidade), cirurgia laparoscópica e endometriose.

 

Prof. Dr. Michael Thomas — Perguntas e respostas de quem ainda não está grávida

Prof. Dr. Michael Thomas

Prof. Dr. Michael A. Thomas é Professor de Obstetrícia e Ginecologia, Diretor de Fellowship e Seção da Division of Reproductive Endocrinology and Infertility, na faculdade de medicina da University of Cincinnati, em Cincinnati, Ohio. Ele foi também Diretor do Center for Reproductive Health, na University of Cincinnati, e Vice-presidente do departamento de ginecologia e obstetrícia. Ele é certificado pelo conselho de medicina estadunidense em obstetrícia e ginecologia, endocrinologia reprodutiva e infertilidade.

Prof. Thomas é Bacharel pela Northwestern University, em Evanston, Illinois, desde 1980 e doutorou-se médico na faculdade de medicina da University of Illinois, em Champaign, Illinois, em 1984. Seus objetivos de pesquisa incluem contracepção, infertilidade, estresse e função reprodutiva, endocrinologia reprodutiva e menopausa. Ele também é membro da The Endocrine Society, da Society for Gynecologic Investigation (SGI) e da Society for Family Planning (SFP), nos Estados Unidos.

Prof. Thomas é renomado nacionalmente como um líder na medicina de reprodução assistida. É também um autor prolífico nessa área, tendo publicado artigos nos periódicos Fertility and Sterility, Journal of Assisted Reproduction and Genetics, Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism e Menopause.

 
  • O estresse afeta minha capacidade de engravidar?

    O estresse tem provavelmente um impacto muito pequeno na capacidade da mulher de engravidar. Estudos mostraram que atletas de elite e mulheres com produção baixa de hormônios femininos (com transtornos alimentares ou abaixo do peso) ativam seus hormônios do estresse, o que pode impactar a capacidade de liberar os óvulos. O estresse do dia a dia provavelmente não tem tanto impacto assim na capacidade de engravidar. Geralmente, as situações estressantes têm uma duração curta e não têm um efeito contínuo na fertilidade.

  • Eu tenho ciclos muito curtos. É por isso que não consigo engravidar?

    Um ciclo normal dura geralmente de 23 a 35 dias. Ciclos menores ou maiores que isso podem estar associados a problemas de fertilidade. Ao longo da vida reprodutiva da mulher, as durações típicas do ciclo geralmente estão nesse período. Se os ciclos forem geralmente mais curtos que 23 dias, consulte um médico. O uso de um monitor de fertilidade caseiro ajudará a prevenir a época da ovulação.

  • Eu já tive um filho (ou filhos), mas estou tendo dificuldade para engravidar desta vez. Por que isso pode estar acontecendo?

    Diversos fatores podem impedir que você engravide, mas depois de já ter tido um filho antes. O problema mais comum é a idade atual. Se você já teve um filho antes agora tiver mais de 35 anos de idade, sua capacidade de engravidar pode ter diminuído. Você também pode ter desenvolvido um problema para ter uma ovulação consistente e/ou um pólipo ou mioma na cavidade uterina que possa estar tendo um impacto na implantação e desenvolvimento do embrião. Seu parceiro também pode estar com alguma anomalia nos espermatozoides, que pode ter causado uma diminuição na contagem, motilidade ou forma dos espermatozoides. Se estiver preocupada, procure um profissional da saúde.

  • Eu já tive um aborto. Isso pode afetar minha capacidade de engravidar agora?

    Geralmente, um aborto não afeta a capacidade de engravidar no futuro. Em raras ocasiões, você pode desenvolver aderências uterinas, que podem causar problemas com a fertilidade no futuro. Se você tiver ciclos mensais normais, as chances dessas aderências afetarem sua fertilidade são baixas. Consultar um médico especialista em fertilidade é útil para assegurar que seu útero não tenha sido afetado, se você estiver tentando engravidar há um ano, tiver menos que 35 anos de idade e tiver ciclos com duração de 23 a 35 dias. Se você tiver mais de 35 anos de idade, consulte seu médico após seis meses de tentar engravidar. Se você tiver mais de 40 anos de idade, consulte seu médico imediatamente.

  • Ouvi dizer que posso medir o envelhecimento ovariano (a quantidade e qualidade dos óvulos que ainda tenho) com um hormônio antimülleriano e exames do FSH sanguíneo. O que isso significa?

    Para mulheres de mais de 35 anos de idade tentando engravidar, a maioria dos médicos pede testes de rotina para avaliar o envelhecimento ovariano. Os exames de sangue incluem um teste para hormônio antimülleriano, ou AMH, que pode ser feito em qualquer momento do ciclo menstrual, mesmo se você estiver tomando pílulas anticoncepcionais. O hormônio antimülleriano é produzido pelas células nos folículos dos ovários e pode ser um meio de determinar antecipadamente quantos óvulos ainda existem nos ovários. A interpretação dos resultados desse teste pode variar entre os provedores de saúde.

    No terceiro dia do ciclo menstrual (dois dias após a menstruação começar), você poderá fazer exames para testar a quantidade de hormônio folículo-estimulante (FSH) e estradiol presentes no sangue. Esses dois exames podem ser uma forma de determinar o declínio da função ovariana no início do ciclo menstrual, momento do recrutamento do folículo dominante para a ovulação. Outro exame para detectar o envelhecimento ovariano é a contagem de folículos antrais. Durante esse exame, uma ultrassonografia transvaginal é usada para determinar a quantidade de folículos pronta para o recrutamento, no terceiro dia do ciclo. Informações mais detalhadas sobre exames de envelhecimento ovariano podem ser encontradas em www.reproductivefacts.org

  • Tenho 35 anos de idade e ainda não encontrei meu parceiro, mas ainda gostaria de ter um filho no futuro. Eu devo congelar meus óvulos agora?

    A American Society for Reproductive Medicine afirmou recentemente que o congelamento de óvulos (oócitos) não é mais considerado experimental. Por causa disso, as clínicas de fertilidade podem agora congelar óvulos para mulheres que possam querer usá-los no futuro. As pacientes que considerarem essa opção podem congelar apenas os óvulos ou uma mistura de óvulos e embriões (óvulos fertilizados) usando espermatozoides de doadores. Hoje em dia, o processo de descongelamento dos óvulos e a subsequente fertilização variam de clínica para clínica. Acredita-se que, com embriões, as chances de descongelamento e implantação no útero são melhores que com óvulos, nos quais se faria uma tentativa de fertilização posterior.

  • Não tenho certeza de que estou ovulando todos os meses. O que pode causar isso?

    As mulheres podem não ovular todos os meses por vários motivos. Se você tiver ciclos menstruais com 23 a 35 dias de duração, com sintomas de sensibilidade nos seios, inchaço, cólicas pélvicas ou uterinas ou mudanças de humor de 3 a 14 dias antes do ciclo menstrual, você provavelmente estará ovulando. Mas se os seus ciclos costumarem durar mais de 35 dias, é possível que você não esteja ovulando de modo algum ou com consistência. A maioria das mulheres que não ovulam e não estão gravidas tem síndrome do ovário policístico (SOPC). A SOPC é uma doença de nascença que pode fazer com que a mulher não ovule (libere é óvulo) de modo regular e consistente. Essas mulheres também podem ter acne na vida adulta ou crescimento maior de pelos sobre os lábios ou abaixo do queixo. Na ultrassonografia, os ovários podem aparentar ter vários pequenos cistos em seu interior, sempre de tamanho pequeno. Outras doenças que podem fazer com que você não ovule incluem: função tireoidiana baixa (hipotireoidismo), produção elevada de prolactina (hiperprolactinemia) e o período que antecede a menopausa (perimenopausa). Se você achar que não está ovulando com consistência, procure um profissional da saúde.